Blog

Como fazer a Gestão de Talentos em momentos de crise

  |   Recursos Humanos   |   No comment

Saiba como fazer Gestão de Talentos durante a crise

Montar um time competente e de alto desempenho já é um dos enormes desafios enfrentados pelo RH. Imagine, então, durante a crise econômica pela qual passa o Brasil e o mundo. Fazer gestão de talentos em momentos de crise vai muito além da excelência em recrutar, desenvolver e reter. Um RH estratégico precisa entender toda a complexidade envolvida neste assunto.

Hoje, sem uma equipe com diversidade de ideias e de habilidades, uma avaliação de desempenho baseada em metas e um programa estruturado de desenvolvimento humano e organizacional, qualquer empreendimento corre o sério risco de naufragar.

Portanto, como se diz no mundo corporativo, o jeito é parar de chorar e sim abrir uma fábrica de lenços diante desta crise que se apresenta como uma das mais graves da história do País.

Lembrando que a produtividade no Brasil é pior hoje do que era em 1994, se você tem uma empresa ou é gerente de Recursos Humanos, tem um desafio gigante em suas mãos. Este artigo vai te ajudar no que se refere à gestão de talentos. Acompanhe!

Veja agora o que você precisa saber para fazer uma perfeita gestão de talentos, “apesar” da crise

Aposte na diversidade    

O equilíbrio dos talentos dos profissionais é uma das chaves para conseguir novos modelos de pensamentos, capazes de contribuir para o crescimento sustentável das empresas. Isso vale para aquelas que já existem no mercado e, também, para os empreendimentos que estão surgindo agora.

Você precisa ter em mente que o perfil dos consumidores mudou e vem se alterando com uma velocidade vertiginosa. Já vai longe o tempo em que somente as lojas físicas tinham seu lugar ao sol, por exemplo.

Por isso, o ideal é que sua empresa tenha entre seus colaboradores diretos, perfis similares ao do público-alvo que você pretende alcançar com seu negócio, seja ele qual for. Está provado que diversidade traz riqueza e inovação para as empresas.

Homens, mulheres, várias faixas etárias, diversas visões, experiências, habilidades e competências diferentes podem fazer a diferença entre sucesso e fracasso. E fazer isso é mais difícil ainda em tempos de crise já que é baixo o nível educacional de quem está correndo atrás de oportunidades de trabalho no mercado. Para muitos, o jeito tem sido contratar e treinar internamente.

Mesmo quem tem formação, pós-graduação e outras especializações, muitas vezes não tem preparo emocional para fazer parte de uma engrenagem cujo lema deve ser a colaboração entre todos.

Na hora de buscar pessoas para trabalhar com você, não hesite em recrutar e selecionar aquelas que estão melhor preparadas, mas tenha em mente que uma deve complementar a outra.

É como num time de futebol. Adianta ter Messi, Cristiano Ronaldo e Neymar na mesma seleção se não houver humildade, trabalho em conjunto, espírito de grupo e somente jogadas individuais?

Reforce a Cultura Organizacional da sua empresa

Você tem ideia da importância da cultura organizacional para engajar funcionários e clientes numa empresa do setor varejista, por exemplo? A largada para ter êxito nesta direção, é primeiramente estabelecer uma cultura para sua empresa. Mas não basta criar uma estratégia com missão, visão e valores e achar que o trabalho de cultura organizacional se esgota aí.

Este é um trabalho a ser feito a quatro mãos, ou mais. Chamar seus colaboradores para participar desta tarefa também é fazer gestão de talentos. A cultura organizacional precisa ser construído com base em diversas premissas, como análise do mercado, construção da situação atual e vislumbre da situação futura (onde se quer chegar). Depois, é necessário relacionar o que deve ser feito e de que forma, para se chegar lá.

Tudo isso embasado em valores sólidos e permanentes que não podem mudar conforme a empresa for crescendo e se modificando para atender um mercado em constante inovação.

Quando esta atividade for concluída, cada área ou setor do seu negócio também deve construir sua própria missão e desdobrar em objetivos e metas a serem alcançados por cada membro da equipe. Ufa!

Lembrando aqui que a comunicação periódica disso tudo aos colaboradores é essencial. Sem saber para onde vão e qual sua parte nesta empreitada, a desmotivação é certa. Cuidado com este aspecto também.

E por falar em motivação, atente-se para o fato de que somente ajustes salariais ou melhoria nos benefícios bastam para atrair e reter talentos nas organizações, em períodos de crise. Funcionários precisam se sentir confiantes quanto aos rumos da empresa em que trabalham. O que só é possível com uma cultura organizacional sólida.

Fuja dos altos custos do turnover

Um erro bastante comum entre os gestores é pensar da seguinte forma: Não vou gastar muito tempo na hora de contratar um funcionário, afinal, se não der certo, mando embora e pego outro. Não caia nessa cilada.

Acertar no momento da contratação em tempos de crise é imprescindível. Leve sempre em conta que os custos do turnover são altos, independentemente do tamanho da sua empresa e do segmento de atuação. Esta rotatividade tem um custo que deve ser evitado a qualquer preço, principalmente agora, na crise. Você não quer desperdiçar recursos financeiros que poderiam estar sendo investidos no próprio negócio e em ferramentas para a gestão de talentos, certo?

Por isso, recomendamos que atividades operacionais como folha de pagamento, por exemplo, sejam realizadas por um software de gestão eficiente. Assim, na hora de recrutar e selecionar, você terá mais tempo para se dedicar ao que realmente é estratégico.

Primeiro, faça uma pré-seleção verificando:

  • Conhecimentos técnicos do candidato;

  • Habilidades condizentes com a função da vaga;

  • Experiências não só no mercado de trabalho, mas durante a vida pessoal, como viagens e ações sociais, por exemplo;

  • Fortalezas complementares do candidato demonstradas com fatos e dados;

  • Se ele desempenha bem em equipe.

Depois disso, a entrevista pessoal com quem passou nesta primeira peneira, é interessante. O bate-papo, se possível presencial e na base do olho no olho é bem importante para que você possa perceber mais claramente tudo que precisa.

Nesta fase podem ser anotadas, por exemplo, quantas perguntas foram feitas pelo candidato e sobre o que. Este fator prova o quanto uma determinada pessoa tem curiosidade sobre o que ela vai fazer na sua empresa e se ela está verdadeiramente estimulada para ser selecionada no processo.

Além de especialistas no que vão atuar, prefira os profissionais que apresentam flexibilidade. Seja para aceitar novas ideias e maneiras de se fazer as coisas, para mudar de posição sempre que se fizer necessário, se empenhar a entender contextos novos e se desenvolver por meio de treinamentos na empresa e também por conta própria.

Salientando aqui que com a retração do mercado devido à crise econômica, as relações interpessoais tendem a ficar ainda mais tensas. Inteligência emocional é indispensável. Não se esqueça deste item no seu programa de gestão de talentos.

Desta forma, seu objetivo de trazer pessoas que agreguem valor ao seu negócio, tenham capacidade suficiente para executar bem seu papel e assumam responsabilidades com determinação e ousadia poderá ser mais facilmente alcançado.

Não é por acaso que o termo “se reinventar” está em alta no mundo dos negócios

Atualmente, os desafios organizacionais demandam muita disposição. É na crise como a que vivemos que os conceitos de se reinventar sempre e ser protagonista ganham ainda mais força.

Um mercado em crise exige soluções mais acertadas de gente que tem vivência em situações de risco. Por isso que fazer gestão de talentos numa época como a nossa é tão delicado.

Sabemos que este aprendizado não acontece do dia pra noite. Mas saiba que solucionar problemas do presente e ter previsibilidade dos que ainda podem surgir é possível sim.

Suas ambições pessoais e profissionais devem ser claramente identificadas para que você possa extrair o melhor de sua equipe. Este é o principal papel dos líderes. Você está pronto para esta jornada?

No Comments

Sorry, the comment form is closed at this time.