BLOG

O RH 4.0 como fator transformador do agronegócio

O crescimento constante do agronegócio brasileiro, impulsionado pela revolução 4.0, precisa se efetivar em todos os seus setores. Além da transformação já vista nos processos de produção, é fundamental que a relação das empresas com os seus colaboradores acompanhem essa evolução através do RH 4.0.

A Evolução do Agronegócio Brasileiro

O agronegócio no Brasil confirmou a sua força ao longo do ano de 2020 com um expressivo avanço de 24,31% em seu PIB, chegando a quase R$ 2 trilhões. Este crescimento recorde levou o agronegócio brasileiro a alcançar uma participação de 26,6% no PIB do país, de acordo com cálculos do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP, realizados em parceria com a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil). Nesse período, o PIB teve alta em todos os segmentos do agronegócio, até mesmo a agroindústria, que foi o segmento mais afetado pela pandemia.

A potência do agronegócio brasileiro se expressa fortemente na região Centro-Oeste, onde 27,51% dos postos de trabalhos formais e informais existentes estavam relacionados ao setor de acordo com a edição especial do estudo sobre mercado de trabalho do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada), da Esalq/USP. Como quase um terço do total de trabalhadores nos estados de Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul são do agronegócio, o setor gerou R$ 3,65 bilhões do total de R$ 13,19 bilhões recebidos em salários na região em 2018.

Essa situação ocorre fundamentalmente em virtude das mudanças estruturais ocorridas em seus segmentos. O ciclo de transformações no campo, conhecido como Agronegócio 4.0, caracteriza-se pela digitalização de todos os processos da produção agropecuária. As inovações vão além de uma simples mecanização, pois todas as operações e decisões passam a ser orientadas com base nos dados colhidos por dispositivos conectados.

Por envolver uma série de avanços tecnológicos e científicos em uma sinergia entre diversas áreas para promover o avanço da produção rural, o agronegócio se vê constantemente desafiado a aprimorar a gestão do seu capital humano para acompanhar as altas demandas por produtividade e competitividade.

Entre os maiores entraves, o elevado índice de turnover (rotatividade de colaboradores) apresenta-se como um impeditivo fundamental para que as organizações atinjam o nível de profissionalização que o setor impõe. O gerenciamento adequado da sua força de trabalho é, então, um ponto estratégico na evolução da atividade agrícola no país.

A qualificação e capacitação da mão de obra é essencial para a cada vez mais exigente necessidade de conhecimento na execução de tarefas específicas, manejo de lavouras comerciais, uso racional de recursos naturais, entre outras particularidades do trabalho rural de precisão. No entanto, investir em formação e especialização sem o engajamento do colaborador com a empresa, representa um grande prejuízo já que perde-se o tempo e recursos investidos e ainda obriga um novo recrutamento – muitas vezes com um processo desnecessariamente complexo – e adequação do contratado à cultura organizacional.

A ausência de uma gestão de pessoas eficaz no setor deixa a organização sem planejamento adequado, sem diagnóstico baseado em dados e sem informações relevantes, o que leva a tomadas de decisões lentas e pouco efetivas, gerando a perda de oportunidades e prejuízos na condução do negócio.

A Importância do RH 4.0

A área de Recursos Humanos também vem sendo altamente impactada pela revolução 4.0. O simples uso de softwares para a gestão de pessoas não é apenas mais só uma questão de necessidade, mas sobretudo a sua utilização de forma inteligente. Há uma mudança estratégica nos métodos e processos, passando a exigir dos profissionais um olhar mais analítico.

Com as novas tecnologias disponíveis, é possível automatizar processos de recrutamento e seleção, permitindo maior enfoque nos talentos e perfis comportamentais dos candidatos. Outro aspecto transformador é a capacidade de interação e colaboração com funcionários de forma remota, em qualquer lugar e a qualquer hora, dando um grande dinamismo à execução das atividades sem perda de desempenho.

A partir da coleta e disponibilidade cada vez maior de dados e informações das rotinas da empresa, o setor de Recursos Humanos ganha um novo status estratégico no planejamento do negócio, possibilitando maior rapidez e assertividade nas tomadas de decisões. Com melhor embasamento dos perfis comportamentais dos colaboradores, a empresa consegue definir a melhor configuração para seus times desempenharem de maneira mais eficiente na conquista das metas e objetivos estipulados.

Outro aspecto que a revolução 4.0 beneficia se adotada de forma eficaz, é a redução da burocracia. Complexidade de folhas de pagamento, controle tributário trabalhista, aspectos legais de contratação, gerenciamento de benefícios, entre outros gargalos são facilmente superados através de processos automatizados e ferramentas de verificação remota.

O RH 4.0 Aplicado ao Agronegócio

Os conceitos, métodos e práticas do RH 4.0 compõem uma ferramenta poderosa no processo de aprimoramento da condução da relação da empresa com a sua força de trabalho. A adoção de uma plataforma rica e bem formatada para as necessidades de cada organização pode ser então um passo decisivo na solução dos problemas comuns ao setor, em especial em três momentos:

1. Recrutamento e Seleção
A contratação de novos colaboradores deve ser pensada de forma a minimizar a chance de equívocos no recrutamento. O foco nos valores, talentos e competências profissionais dos candidatos é de suma importância. Automatizar os processos de forma eficiente com uma gestão simplificada, portal de vagas e colaboração facilitada de recrutadores reforçados pelo aumento do alcance através de sistemas adequados, impulsionam a possibilidade de assertividade na contratação. Valorizar a experiência dos candidatos, com uma gestão apropriada de relacionamentos e feedbacks tornam as empresas mais atrativas e interessantes para quem busca novas oportunidades.

2. Gestão de Pessoas
Para o Agronegócio, enxergar a gestão das pessoas de forma estratégica possibilita ganhos de produtividade com o melhor desempenho dos colaboradores. Uma equipe integrada e motivada gera maior engajamento com objetivos alinhados ao da empresa. Em posse de dados analíticos da composição da sua força de trabalho, o processo decisório será melhor executado na velocidade necessária, seja para implementação de novas estratégias, programas de treinamento, benefícios e premiações.

3. Análise de Metas e Desempenho
A definição de metas e avaliação de desempenho ganham relevância a partir de uma gestão bem estruturada. Metas SMART – específicas, mensuráveis, atingíveis, realistas e oportunas – podem ser desenvolvidas instantaneamente com maior controle sobre a execução. O acompanhamento contínuo do desempenho estimula o diálogo com melhores feedbacks, gerando maior integração do time, o que resulta em melhoria do clima organizacional, comprometimento e retenção de talentos.

Quanto melhor e mais integrada a implementação e adoção das práticas e ferramentas, a partir da escolha assertiva de uma plataforma, mais preparada estará a organização para superar os desafios impostos pela complexidade do agronegócio, cada vez mais competitivo e exigente.

Para saber mais sobre como conduzir essa transformação, consulte a HRST Brasil – uma das mais importantes consultorias parceiras SAP HXM do Brasil, pioneira em quase todas as soluções SAP para recursos humanos e SAP Gold Partner com mais de 15 anos de atuação.

Categorias

Categorias

Recentes